PACIENTES

Orientações e informações aos
nossos pacientes sobre a
segurança do procedimento anestésico
Slider

INTRODUÇÃO

Desde 1846 a anestesia é considerada uma das maiores descobertas da medicina. Isso porque, desde então, é possível submeter os pacientes, até mesmo aqueles com quadros mais graves, a procedimentos mais complexos sem o risco de sentirem dor.

O anestesista é um profissional altamente qualificado para cuidar da vida e da segurança do paciente durante todo o procedimento cirúrgico, desde a avaliação pré-anestésica até o acompanhamento pós-cirúrgico.


 

SOBRE A ANESTESIA

Anestesia

É bom ler estas informações, com atenção, para entender melhor o que acontece antes e durante uma operação, e para conhecer as respostas certas para muitas dúvidas sobre ANESTESIA.

O que é Anestesia?

Anestesia é o estado de total ausência de dor e outras sensações durante uma operação, exame diagnóstico ou curativo. Ela pode ser geral, isto é, para o corpo todo; ou parcial, também chamada regional, quando apenas uma região do corpo é anestesiada. Sob o efeito de uma anestesia geral, você dorme. Com anestesia regional você pode ficar dormindo ou acordado, conforme a conveniência, embora parte de seu corpo fique anestesiada.

Quanto tempo dura uma Anestesia ?

A anestesia dura o tempo necessário para que o Cirurgião faça seu trabalho. Oferece, ainda, abolição da dor por tempo variável após o procedimento. Atualmente há recursos para abolir toda a dor que vem depois de uma operação.

Quem aplica a Anestesia?

A anestesia é aplicada por especialistas, que cursaram seis anos da Faculdade de Medicina e mais três anos de curso de especialização, no mínimo. Estes médicos não só aplicam a anestesia, como também cuidam de você durante toda a operação e além dela. Controlam Pressão Arterial, Pulso, Ritmo Cardíaco, Respiração, Temperatura e outras funções orgânicas importantíssimas. Cuidam de tudo para que você esteja sem sofrimento, seguro e para que o cirurgião possa fazer o trabalho com tranqüilidade. O Anestesiologista é o verdadeiro guardião de sua vida durante e logo após uma operação. Estará ao seu lado, durante todo o tempo da cirurgia, exclusivamente para cuidar de você, mesmo que você não perceba ou não se lembre de nada depois da anestesia.

Que tipos de anestésicos são usados?

Existem diversos tipos de anestésicos gerais e locais. Os locais são depositados perto dos nervos, enquanto anestésicos gerais são administrados pela veia ou através da respiração. Todos proporcionam anestesias adequadas. A escolha do anestésico varia com o tempo e o tipo de operação, com as suas condições físicas e emocionais. Depois de conhecê-lo, avaliar seus exames pré-operatórios, saber a cirurgia proposta, o anestesiologista indicará a melhor opção.

Quem esclarece você sobre a Anestesia?

Seu médico já deve ter conversado sobre a anestesia com você. Porém, somente na consulta com o médico anestesiologista é que todos os esclarecimentos serão feitos. Não aceite qualquer informação de pessoas não especializadas. Existem muitas fantasias e desinformações sobre a anestesia.

Quem escolhe o Anestesista?

Você tem o direito de escolher o seu anestesiologista. Normalmente, porém, os hospitais possuem serviços de anestesia com os quais o seu cirurgião já está acostumado a trabalhar. Afinal, operação é trabalho de equipe, e ele gosta da equipe completa.

O que acontece antes da operação?

Primeiro, o anestesiologista o examinará, prestará informações e orientará sobre a anestesia. Alguns exames de laboratório e Raio X poderão ser necessários. Os preparativos da enfermagem, a pedido dos médicos, podem incluir raspagem dos pelos do lugar da operação, algum remédio e muita atenção. Na noite anterior e cerca de uma hora antes da operação, dependendo do dia e horário de sua internação, é provável que você receba algum comprimido ou uma injeção de sedativo, para tornar mais confortável para você o transporte e a chegada à sala de operações.
Como você colabora com sua própria segurança?

Conte, ao anestesiologista, os nomes de todos os remédios que você toma ou tomou regularmente. Em especial enumere aqueles a que você tem ALERGIA. Serão removidas de sua boca quaisquer peças dentárias móveis como dentaduras, pivôs, pontes, especialmente as de menor tamanho. Não use cosméticos ou produtos de beleza no dia da operação: deixe-os em casa. Não leve ao hospital, e muito menos para a Sala de Operações, jóias pessoais como anéis, pulseiras, relógios de pulso, brincos, como também retire alfinetes, grampos de cabelo, perucas, cílios postiços e outros objetos desnecessários. Não mastigue goma de mascar antes da cirurgia, porque isto provoca aumento de ar e de sucos no estômago, o que pode causar vômito depois da operação. Siga, de forma obediente, as orientações dos seus médicos.

É para ficar em jejum mesmo?

O jejum é muito importante para garantir a sua segurança, uma vez que, por mais leve que seja a anestesia ou sedação, pode ocorrer a diminuição dos reflexos de tosse e respiração e a regurgitação e aspiração de substâncias do estômago para os pulmões. Algumas condições ou problemas de saúde dificultam o esvaziamento adequado do estômago. São eles: diabetes, obesidade, doença do refluxo, hérnia de hiato, gastrite, úlcera no estomago ou duodeno, presença de infecção sistêmica, traumatismo recente, gestação ou histórico de dificuldade de intubação. Dor aguda e alguns medicamentos para tratamento da dor também podem dificultar o esvaziamento do estômago. Nestes casos, consulte o seu médico e informe a presença destas condições. A recomendação do tempo de jejum depende do tipo de alimento e da ausência de condições especificas descritas acima. Confira abaixo a tabela explicativa:

O que é a Sala de Recuperação?

Quando termina a cirurgia, o anestesiologista suspende os anestésicos e inicia-se o processo de recuperação. Isto pode demorar alguns minutos ou algumas horas, dependendo da duração e do tipo da anestesia aplicada. Durante este tempo, você estará sob cuidados de pessoal qualificado para evitar complicações e surpresas. Você ficará na Sala de Recuperação Pós-Anestésica, dentro do bloco cirúrgico, até estar completamente desperto ou recuperado. Só aí que o anestesiologista dará autorização para que você seja levado de volta a seu quarto. Nos casos de grande operação, que causam sofrimento, você poderá ser levado para uma sala de cuidados mais atentos, para que não haja sofrimento ou risco. Se isso tiver que acontecer, o anestesiologista lhe explicará antes.

O que você vai sentir após a Anestesia?

Depende muito da operação, do tipo de anestesia e de suas condições físicas. Graças às modernas técnicas de anestesia, apenas um número muito pequeno de pacientes chega a sentir-se mal. O que deve ser ressaltado é que você, provavelmente, não sentirá nada, nem se lembrará de nada. O anestesiologista zelará para que lhe seja assegurado o máximo conforto.

Qual o risco de uma Anestesia?

São muito raros, atualmente, os acidentes ou complicações de uma Anestesia. Com instrumental, técnicas, conhecimentos e medicamentos modernos, o anestesiologista reduz ao máximo os riscos de acidentes anestésicos. O anestesiologista, além do conhecimento e da especialização médica empregará toda sua perícia e experiência clínica para o sucesso completo do tratamento.

Por que o medo da Anestesia?

Todas as pessoas tem medo do desconhecido. É como viajar de avião. Quem nunca o fez, morre de medo. Outros, mesmo viajando sempre, também se preocupam. Mas milhares de vôos são realizados, no mundo todo, na mais absoluta segurança. Os poucos acidentes que acontecem são matéria para a imprensa divulgar com estardalhaço. Isso ajuda as pessoas a terem mais medo. A mesma coisa acontece na anestesia: há medo do desconhecido e muitas divulgações alarmistas de raros acidentes. Como nas viagens de avião, diariamente anestesiologistas qualificados aplicam milhares de anestesias, em todo o mundo, com toda a segurança. É bem por isso que você deve exigir que somente anestesiologista qualificado o examine antes da operação, o oriente e faça a sua anestesia. Assim você pode evitar ou diminuir o medo da anestesia. Ouvir explicações sinceras e seguras reduz muito as ansiedades.

Quanto custa uma Anestesia?

Depende bastante da operação, do tempo de trabalho e da complexidade. Mas, se você é paciente particular, tudo será discutido, com antecedência, sem surpresas. Se você possui algum convênio, serão seguidas as regras e exceções da sua Instituição. As vezes poderão aparecer algumas diferenças que também serão discutidas com antecedência

O que devo saber sobre anestesia em procedimentos com criança?

A anestesia para procedimentos pediátricos, geralmente, inicia-se com anestesia inalatória. A adoção desta técnica anestésica se justifica pelo fato de a criança não sofrer traumas, como aqueles provenientes da picada de uma agulha para a aplicação da anestesia, por exemplo, e também pelo fato de ser bem tolerada pelos pequenos pacientes. Dependendo do caso, é comum a combinação com a anestesia regional para evitar que a criança sinta qualquer tipo de dor. É importante lembrar que, durante a anestesia, também são aplicados, diretamente na veia, analgésicos e outras medicações com o objetivo de controlar a dor e impedir vômitos e náuseas ao final do procedimento. Segurança da criança Todos os hospitais em que atuamos dispõem da mais moderna tecnologia para oferecer aos pacientes de quaisquer idades o máximo de segurança. Desde os aparelhos para aplicação da anestesia, passando pelos fármacos utilizados e até os monitores para observar as funções vitais do paciente. Assim como nos adultos, em procedimentos de pediatria é imprescindível a avaliação pré-anestésica da criança, momento em que serão registradas todas as informações como os medicamentos utilizados, horário da última refeição, bem como esclarecidas quaisquer dúvidas dos pais.

Para o parto, quais são os procedimentos anestésicos de costume?

Para procedimentos obstétricos, geralmente utilizamos técnicas de anestesia regional, como a peridural, a raquidiana ou uma combinação das duas (duplo-bloqueio). Esses procedimentos são bastante seguros para a mãe e para o bebê. Em cesarianas, a raquidiana é a anestesia mais utilizada há mais de 20 anos. A peridural ou o duplo-bloqueio são mais comuns no acompanhamento para parto vaginal, quando não é possível prever exatamente o tempo que levará para o bebê nascer. Além disso, em ambas as técnicas existe a possibilidade de fazer infusões extras de anestésico, proporcionando conforto pelo tempo que for necessário e auxiliando na dilatação do colo uterino. Há algum tempo, a dilatação do colo do útero era utilizada como critério para adiar a anestesia. Hoje, não existe um momento específico para a realização da anestesia no trabalho de parto. Os médicos obstetras geralmente indicam a anestesia com base na dor que a paciente está sentindo. Complicações eventuais Com os recentes avanços em anestesiologia, há cada vez menos complicações relacionadas ao procedimento. Monitorização, equipamentos adequados e bons profissionais fazem com que os riscos anestésicos sejam muito baixos. No entanto, alguns sintomas podem ser sentidos pelas mães em decorrência da anestesia aplicada no parto. Na anestesia raquidiana, a complicação mais conhecida é a cefaleia pós-punção. Trata-se de uma dor de cabeça que é atenuada quando a paciente se deita e piora ao levantar ou sentar. O tipo e calibre da agulha utilizada na anestesia é um fator relacionado ao aparecimento desta dor de cabeça, mas ela tem se manifestado mais raramente devido ao desenvolvimento de novas e modernas agulhas. Caso o problema se apresente, repouso, hidratação e analgésicos simples contendo cafeína geralmente são suficientes para o tratamento. Outras complicações mais simples podem ocorrer, como náuseas e vômitos, além de coceiras pelo corpo, devido ao uso de medicação analgésica. Como em todos os procedimentos médicos, estamos sujeitos à intercorrências. Tais eventos, contudo, são muito raros e seu médico anestesiologista pode orientar à respeito na consulta pré-anestésica.

Sou fumante. Preciso parar de fumar antes de uma cirurgia?

É altamente recomendável que você pare de fumar o quanto antes e é fundamental que suspenda o hábito pelo menos nas 24 horas que antecedem o procedimento. Os anestesiologistas são os especialistas em coração e pulmão na sala de cirurgia e responsáveis pelos cuidados globais da saúde dos pacientes. Eles testemunham diretamente o imenso número de problemas relacionados ao fumo e gerenciam possíveis complicações durante a intervenção que são potencializadas pelo tabagismo. Eles também observam os benefícios de quem para de fumar antes da cirurgia e se empenham em ajudar os pacientes a perceberem tais vantagens. É importante que o anestesiologista saiba sobre o seu tabagismo, assim ele pode tomar todas as precauções para reduzir o risco de problemas.

CONHEÇA E CONVERSE COM SEU ANESTESIOLOGISTA.


10 PASSOS PARA UMA ANESTESIA SEGURA

O programa “10 passos para uma anestesia segura” foi montado para esclarecer e reforçar os passos necessários para tenhamos segurança na realização de uma anestesia!
Para você paciente, ficará fácil entender como uma anestesia tem muitos passos importantes para sua segurança. E para o profissional de saúde o programa serve como uma atualização / lembrete de todos os passos essenciais a serem seguidos.

Todo o programa pode ser resumido como um jogo de tabuleiro, onde cumprindo todos os passos você consegue dar a volta completa com toda a segurança!

Os 10 passos:

• Higienização das mãos e uso de luvas
• Avaliação pré anestésica
• Preenchimento correto e completo dos documentos
• Checagem de segurança (time out)
• Prevenir erros relacionados a medicamentos
• Planejar o acesso as vias aéreas e ventilação transoperatória
• Planejar a analgesia
• Planejar a monitorização adequada
• Planejar a reposição volêmica
• Transporte e assistência pós-operatória na sala de recuperação anestésica

 

 

CADASTRE SEU E-MAIL E RECEBA AS NOVIDADES


ENTRE EM CONTATO CONOSCO
(62) 3239 1600 / 9 9980 8119